SEO on-page para e-commerce

SEO on-page para e-commerce

SEO é uma arte e envolve riscos. Porém a técnica é essencial para sites com boa navegação de lojas virtuais, confira agora o passo-a-passo para uma estratégia completa de SEO on-page para e-commerce.

Há dois conceitos que os profissionais de SEO devem considerar: 

  1. Rastreamento e indexação eficiente (chamado Arquitetura técnica – TA),
  2. Organização de conteúdo (Arquitetura da informação – IA)
  3. Juntos, eles formam a Arquitetura do site – SA

Terminologia técnica de SEO on-page para e-commerce

Taxonomia

Para e-commerce: classificação de tópicos em uma estrutura hierárquica 

As taxonomias de comércio eletrônico são geralmente verticais, semelhantes a árvores.

A taxonomia de um site geralmente é chamada de hierarquia. Para visualizar taxonomias, pense em “migalhas de pão”.

Uma maneira de criar taxonomias de comércio eletrônico é usar um vocabulário controlado (uma lista restrita de termos, nomes, rótulos e categorias). Eles são desenvolvidos por arquitetos da IA (Arquitetura da Informação).

Ontologia

Significa relação entre taxonomias.

Se uma hierarquia de comércio eletrônico puder ser visualizada como uma árvore invertida (página inicial para o topo), uma ontologia é a floresta que mostra os relacionamentos entre as árvores. Um vocabulário comum de ontologia para comércio eletrônico é GoodRelations.

Siblings (Irmãos)

Páginas que se vinculam no mesmo nível de hierarquia. Eles compartilham o mesmo pai (categoria de nível superior).

Pogo Sticking

Ninguém gosta de clicar em três resultados de pesquisa diferentes antes de encontrar o que estava procurando. Esse tipo de persistência ocorre quando um site tem uma classificação alta, mas falha em satisfazer as necessidades das pessoas que usam esse termo de pesquisa. Se isso se tornar uma ocorrência comum em suas páginas de destino, o Google e outros mecanismos de pesquisa chegarão à conclusão de que sua página está classificada erroneamente para o termo e que suas classificações caem.

Page Rank Sculpting

PageRank Sculpting consiste em tentar manipular o ranking do seu site, controlando o fluxo de link. Por exemplo, você tem uma página da web com 5 links de saída. Você deseja que todo o Page Rank flua para dois desses links, portanto, coloque o atributo nofollow nos outros três.

Regras internas da estratégia de vinculação

  1. Cada página de um site não deve levar mais de três cliques para acessar.
  2. Somente categorias do mesmo nível hierárquico (Siblings) podem ser interligadas
  3. Categorias vincularão apenas a categorias pais ou produtos internos.
  4. Subcategorias serão vinculadas a subcategorias e categorias relacionadas do mesmo nível (Siblings)
  5. As páginas de produtos vincularão apenas a produtos relacionados nas mesmas categorias e às categorias de pais

Arquitetura plana versus arquitetura profunda

Se nenhum link externo apontar diretamente para a página do produto, os mecanismos de pesquisa encontrarão o URL do produto de maneira semelhante aos usuários, rastreando a partir de uma página de entrada (os mecanismos de pesquisa acessam seu site por vários URLs, não apenas pela página inicial) para a página de detalhes do produto.

Pontos importantes sobre a arquitetura plana:

  1. A menos que você venda um número limitado de produtos ou possua um número muito limitado de páginas no site, não deixe seu site achatado ao extremo. Isso significa não vincular a partir da página inicial a centenas de páginas de detalhes de produtos, somente para criar uma arquitetura plana.
  2. A arquitetura plana refere-se à distância entre as páginas em termos de cliques, não ao número de diretórios no URL.
  3. Se você já organizou sua hierarquia usando diretórios em URLs, não os remova apenas para fins de nivelamento, mas crie hyperlinks para que cada página possa ser acessada no máximo em 3 cliques.

Problemas de indexação da loja virtual no Google

Você pode usar o

site: domain.com/directory/

A barra à direita “/” no final informa aos mecanismos de pesquisa que os URLs são diretórios e que há mais conteúdo a ser encontrado. ]

A página do produto que possui um arquivo .html, .php., .Aspx, informa aos mecanismos de pesquisa que este é um item e não um diretório.

Para solucionar problemas de indexação referentes ao diretório específico (substitua ‘directory’ pelo nome da pasta a ser analisada).

O Google pode usar sua estrutura de diretórios para criar trilhas de navegação com rich-snippet.

Para evitar problemas associados à movimentação de produtos de uma categoria para outra ou problemas com múltiplas categorias, mantenha os URLs dos itens livres de categorias sempre que puder.

O método de Siloing

Siloing significa criar uma arquitetura que permita aos usuários encontrar informações de maneira estruturada (taxonomia vertical), enquanto vincula páginas de uma maneira específica para orientar como os mecanismos de pesquisa rastreiam o site.

Siloing é feito através da identificação dos principais temas do site (para comércio eletrônico, departamentos, categorias e subcategorias) e, em seguida, interligando apenas as páginas pertencentes ao mesmo tema (categoria). 

Você pode obter silos com diretórios ou com vínculos internos: 

  1. Diretórios – Seus silos serão os diretórios nos URLs. Sempre que possível, tenha uma hierarquia de diretórios.
  2. Links internos – com links internos, você pode criar silos virtuais, pois as páginas no mesmo silo não precisam ser colocadas no mesmo diretório. Você obtém silos virtuais controlando os links internos de forma que os robôs dos mecanismos de pesquisa apenas encontrem links.

Geralmente, as páginas nos silos precisam passar a autoridade do mecanismo de pesquisa (PageRank) e a relevância (texto âncora) apenas em relação a outras páginas nas mesmas páginas do silo.

Existem regras para vincular dentro e entre silos. Uma página dentro de um silo:

  1. Deve vincular aos pais
  2. Pode vincular a irmãos
  3. Não deve vincular a primos
  4. Pode eventualmente vincular a tios / tias (irmãos do pai nesse caso)

Se você precisar vincular a páginas fora do silo, oculte esses links dos mecanismos de pesquisa.

Se uma categoria tiver muito poucos itens, considere movê-los para uma categoria existente.

Natureza das pesquisas referentes a lojas virtuais

80% das consultas na Web são de natureza informativa, enquanto cerca de 10% são de navegação e outros 10% de transação.

Você não pode ignorar a longa cauda do tráfego de pesquisa orgânica – isso pode representar de 70 a 80% do tráfego total.

Adicione uma nova camada de página de suporte (especialmente para páginas de produtos e subcategorias) no site.

Esta camada pode ser um blog, fórum, perguntas e respostas de especialistas, como guiar, etc.

Isso ajudará o tráfego orgânico adicional e fornecerá suporte para links internos contextuais. Além disso, pode ajudar na construção de uma comunidade em torno da sua marca.

Normalmente, o volume de pesquisa para a categoria pai deve ser maior que o volume de pesquisa para a categoria filho, mas essa não é uma regra definitiva.

O Google Trends mostra as tendências de busca dos tópicos e pode ajudar a definir qual palavra usar para categorias e qual para produtos.

NOTA: O Google Trend exibe dados em uma escala de 1 a 100 (100 sendo o maior volume de pesquisa registrado). O Google Trends não exibe o volume absoluto de pesquisa.

Navegação na loja virtual

Fortemente conectada aos links de navegação, é uma prática recomendada de SEO on-page para e-commerce que recomenda manter o número de links em uma página abaixo de 100.

Se você possui um novo site, é uma boa ideia manter o número de links em cada página no máximo 200. Isso ocorre porque você terá apenas uma pequena autoridade (PageRank) para passar para níveis mais baixos no início.

Se for página de conteúdo (ex post de Blog), sugerimos usar uma média de 1 hyperlink interno a cada 500 palavras. Por exemplo se o post for de 1,500 palavras, ideal seria ente 3 e 4 links para outras páginas do site.

Variações de palavras-chave

Uma das técnicas mais conhecidas de SEO on-page para e-commerce é usar variações de palavras-chave e erros ortográficos, por exemplo, camisetas, camisas, camisetas.

Algumas dicas:

  1. Você pode criar páginas individuais para segmentar variações de palavras-chave (ou um grupo de palavras-chave),
  2. Não use “boilerplat” (ex footer ou sidebar) ou seu site será alvo de algoritmo panda do Google e poderá sofrer penalidade.
  3. Coloque variações mais comuns no título e/ou descrição.
  4. Identifique possíveis problemas de IA
  5. Execute os termos mais importantes no site interno para verificar se há é uma correspondência entre o URL retornado pelo site e o retornado pelos mecanismos de pesquisa.

Categorize as palavras-chave em categorias: faça o download da lista de chaves do planejador e grupos do Adwords ou Ubersuggest. Você pode ver a ocorrência da categoria e entender melhor o interesse do usuário e, assim, definir uma “categoria principal” para o menu (você pode usar uma tabela dinâmica do Excel para isso).

Use os breadcrumbs para comunicar com facilidade e rapidez a hierarquia do seu site aos usuários.

O rodapé é um texto padrão, significa que os mecanismos de pesquisa provavelmente o ignorem ao acessar o conteúdo desta página e o texto âncora.

Conclusão

Uma loja on-line bem otimizado é nada mais que um bom site para o usuário. O SEO on-page para e-commerce irá se preocupar com a usabilidade das ferramentas de compra e catálogo e também com a facilidade desse conteúdo ser encontrado nos resultados das buscas.

Tenha uma boa arquitetura dos produtos do seu e-commerce e não se esqueça de organizar bem o uso das palavras-chave para otimização.

Confira também: Os problemas mais comuns em e-commerces.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *