Parceria para um projeto de Inbound Marketing | Como escolher o melhor tipo?

parceria para um projeto de Inbound Marketing

O que é parceria para um projeto de Inbound Marketing?

No Marketing Digital a palavra ‘parceria’ é sempre usada, em outros segmentos do mercado também. Essa é a nova tendência, consequência da necessidade de se especializar sempre mais.

Normalmente, a necessidade de uma pareceria aparece quando você chega no limite das suas competências em um nicho de trabalho.

Quanto mais amplo o segmento em que sua empresa atua, maior será a quantidade de sub-áreas do ramo. Consequentemente maior será a demanda de especialização para cada sub-área.

No marketing online e especificamente no Inbound Marketing, já passou a época da agência que faz tudo”. Pois a quantidade de vertentes a serem trabalhadas na internet é tão grande que precisaria de um departamento para cada uma delas. Sendo assim, só grandes empresas iriam conseguir se estruturar desta forma.

No entanto, essas são empresas que cuidam de contas do tamanho da Coca-Cola.

Mas mesmo a Coca-Cola NÃO tem contrato com uma única agência. Esta com certeza tem outros parceiros que ajudam na estruturação e entrega do projeto de Marketing Digital.

Marketing Digital como um projeto de engenharia

Chegamos à uma situação sempre mais próxima de um projeto de engenharia. Onde existe um Main Contractor, com um contrato direto com o cliente final.

Sendo que este contrato inclui a gestão geral do projeto, somando a responsabilidade das subcontratadas às entregas operacionais delas.

O Main Contractor é chamado também de Project Manager, e é responsável pela integração e entrega de todos os sub projetos e de todas as entregas das empresas terceirizadas de baixo do próprio chapéu.

Por exemplo, imagine um Main Contractor para a construção de uma ponte.

Neste projeto existe no mínimo:

  • uma empresa de engenharia focada na parte do Design (ou até várias empresas, cada uma focada em uma parte específica do design),
  • uma para a construção civil,parceria para um projeto de Inbound Marketing engenharia
  • uma para a parte eletromecânica,
  • uma para sinalização,
  • outra para fiscalização,
  • etc, etc, etc

Tudo isso além do Main Contractor.

Na minha opinião, e com as devidas proporções, o Marketing Digital está indo para este caminho.

Onde cada vez menos empresas fazem de tudo e cada vez mais se especializam.

Modelos de parceria para um Projeto de Inbound Marketing

Existem vários modelos de parceria, que gostamos de agrupar em 3 macro categorias:

  • Terceirização de fornecedores operacionais de Marketing;
  • Indicação de parceiro com ou sem comissionamento;
  • Gestão de projeto sem risco de contrato.

Terceirização de fornecedores operacionais de Marketing

Imaginemos a seguinte situação mostrada na imagem abaixo:

parceria para um projeto de Inbound Marketing fluxo

  • Ciente A;
  • O Main Contractor de Inbound Marketing: B;
  • Os fornecedores (C1, C2, C3, etc);

O Main Contractor B, não consegue entregar sozinho todos os sub serviços operacionais de projeto.

Por exemplo, se você contrata um serviço de Planejamento de Marketing Digital ou de Inbound Marketing, você quer que seu projeto seja implementado e dê resultados satisfatórios na base da sua meta e dos desafios para atingi-la.

Neste cenário, você não se importa se o conteúdo é criado por uma empresa terceira a seu fornecedor, ou se tem um freela que mexe no seu site.

Afinal, você quer ver o resultado, certo?

Neste caso, você precisa considerar, além do valor do sub projeto contratado:

  • o Fee de Administração (o Main Contractor vai ter que gerenciar os sub-fornecedores);
  • a margem sobre o contrato de sub-fornecimento;
  • o risco de gestão de contrato. Pois se o sub-fornecedor não entregar, o seu fornecedor precisa achar outra solução. Ele não pode simplesmente te dizer que não conseguiu o site porque o freela o deixou na mão. Você não vai aceitar isso, né?

Isso significa que, na melhor das hipóteses, a parte de contrato referente à terceirização terá uma cobrança final perante o cliente final de no mínimo 40% a mais do valor do serviço prestado.

Isso é muito? Pouco? – Isso é justo!

parceria para um projeto de Inbound Marketing tempo

Se o Main Contractor não cobrar este valor a mais no contrato, é o projeto que vai ser impactado. Então, consequentemente, o resultado dele, pois o fornecedor para fechar as contas, precisa alocar mais projetos para a mesma pessoas. Reduzindo assim as horas-homem qualificadas a disposição do projeto.

Já se, pelo contrário, tentamos reduzir o valor da entrega do sub-fornecedor, será a entrega operacional que será impactada.

A negociação pautada puramente no preço é muito perigosa, pois esta abordagem:

  • ou diminui o número de hora trabalhadas;
  • ou diminui a qualidade das horas.

Caso queira economizar, pode seguir outro modelo, de:

Indicação de parceiro com ou sem comissionamento

Neste caso o seu fornecedor (Main Contractor) indica outra empresa para você (cliente) e você mantém a responsabilidade do contrato com esta outra empresa.

Por exemplo, nós na NoTopo somos especialistas em Estratégias de Marketing Digital e projetos de Inbound Marketing. Portanto, nos posicionamos como Main Contractor, mas não somos especialistas, por exemplo, em desenvolvimento de Identidade de Marca ou Identidade Visual.  

Então se um cliente nos solicita este tipo de serviço, simplesmente indicamos o nosso parceiro especializado neste tipo de trabalho. Depois, dependendo do acordo que temos com nosso parceiro, em caso de fechamento de contrato entre o nosso cliente e nosso parceiro, nós iremos ganhar uma comissão, ou não.

Fato é, que neste esquema é o cliente quem vai fazer o contrato diretamente com nosso parceiro e, mais que isso, vai gerir o contrato em primeira pessoa.

Isso significa: valor de contrato mais em conta, mas não que o projeto seja mais barato.

Simplesmente, neste cenário, você (cliente) escolhe:

  1. Manter o risco do contrato na sua empresa;
  2. Assume o custo das horas de gestão do trabalho.

Gestão de projeto sem risco de contrato

Existe um terceiro caso de parceria para um projeto de Inbound Marketing, que é um híbrido entre os dois anteriores.

Neste caso você absorve o risco do contrato, mas deixa com seu fornecedor a Gestão do Projeto de Inbound.

Por exemplo: você contratou um projeto de Inbound Marketing e precisa de alguém que produza o conteúdo para o projeto.

Imagine que seu fornecedor indicou um parceiro.

No modelo anterior, o Caso 2, você fecha o contrato diretamente com este parceiro e deve gerir também a parte operacional da produção de conteúdo.

No entanto para um projeto de Inbound Marketing a produção de conteúdo é atrelada diretamente à configuração das cadências de emails, às divulgações do site e interações nas Redes Sociais. Então seria mais eficaz para o resultado do projeto, se o fornecedor gerisse a pauta e operação da produção de conteúdo.

Neste caso, para manter também o processo eficiente no sentido dos custos, você pode fazer um contrato diretamente com o criador de conteúdo, se responsabilizando sobre as entregas deles para e deixar a gestão técnica e operacional com seu fornecedor de Inbound Marketing.

Qual modelo de parceria para um projeto de Inbound Marketing escolher?

Como sempre cada opção tem prós e contras.

No modelo clássico de terceirização (Caso 1 neste artigo), claramente a gestão geral do contrato é mais efetiva (melhor gestão, mais fácil atingir resultados), mas menos eficiente (custo maior considerando o custo do risco de contrato e gestão que o fornecedor vai passar para vocês).

O modelo de indicação (Caso 2 neste artigo), é o mais eficiente (custo menor), mas menos eficaz pois a gestão do projeto depende tanto do fornecedor de Inbound, quanto da sua gestão interna do criador de conteúdo, no nosso exemplo.

O modelo híbrido fica no meio tanto da parte de eficiência (custo maior do que a primeira opção e menor do que a segunda), quanto de eficácia (menor do que a primeira e maior do que a segunda).

Os latins falavam: medio tutissimus ibis (Irás seguríssimo pelo meio).

No entanto nem sempre a solução está necessariamente no meio, mas depende dos seus desafios como empresa e de seus objetivos.

Você chegou a definir qual modelo de trabalho é melhor para sua empresa? Precisa de ajuda para fazer esta definição?

Entre em contato com nosso time!

Compartilhe!

Estrategista de Modelos de Negócio e de Marketing Digital, Engenheiro. Mais de 10 anos de experiência internacional em vários paises da Europa e América Latina. Especialista na implementação e otimização de Processos de Business. Perfil linkedin: https://br.linkedin.com/in/daniloalbadigitalmarketing

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?