Consultoria de Marketing Digital
Início » 10 Tendências de Marketing Digital para o 2018 no Brasil

10 Tendências de Marketing Digital para o 2018 no Brasil

marketing digital trends Brasil 2018

Este não é com certeza o único post sobre os Trends de Marketing Digital para 2018 no Brasil, mas quis escrever este artigo para tentar dar um olhar mais crítico, não objetivo, mas analítico sobre as novas tendências.

Muita vez um artigo sobre tendência é escrito na base de copia, cola e traduz de Blogs americanos. Mas nem sempre o que existe lá vale para o mercado Brasileiro, pelo menos não no mesmo momento. E nem sempre tendências e necessidades para grandes empresas são a mesmas para as pequenas empresas.

Fiquemos com pés no chão.

 

1. Streaming in Facebook, Instagram, YouTube

Vídeos já bombaram em 2017.

Isso aconteceu com certeza pela facilidade sempre maior de produzir e editar clipes (com um iPhone ou Samsung você pode gravar em 4k, ou seja, uma qualidade 4 vezes maior do que a Alta Definição – HD). Mas foi também porque agora quase todas as Redes Sociais permitem publicação de vídeo de forma rápida e segmentada.

Especificamente para este ano de 2018 prevemos o aumento de vídeos em Streaming – os vídeos ao vivo.

Sem falar que Facebook, YouTube e até Amazon (entre outros) estão começando ter os próprio seriados, tipo TV. Netflix: fica a dica!

Para complementar o conhecimento, vamos replicar alguns números sobre o uso de Redes Sociais no ano de 2017:

redes sociais mais usadas

Dificilmente estas tendências mudarão no ano de 2018, pois de fato todas estão focando em Vídeo para este ano.

2. Marketing de Influência – Macro e Micro

Já o 2017 foi o ano em que o Marketing de Influência viveu o papel de protagonista.

No entanto esta foi uma abordagem mais para empresas maiores, pois, apesar de um influencer poder ser um ótimo canal de Branding, nem sempre o canal de acesso a ele é tão simples e às vezes chega a custar muito mais do que outras campanhas, tipo Links Patrocinados.

Analisando quem nos contatou para trabalhar o Marketing de Influência, aparece o mais clássico dos problemas: necessidade de ter um resultado a curto prazo. Isso vai contra o conceito de Branding, que é o que vamos trabalhar no Marketing de Influência.

Também cabe destacar um erro recorrente ao definir uma estratégia de Marketing de Influência. Muitas vezes o nível de influência é medido pela quantidade de seguidores da pessoa. Isso está errado, ainda mais agora que podemos escalar mecanicamente o número de seguidores através de ferramentas pagas.

Este façamos todos Marketing de Influência causou um colapso de alguns segmentos, pois algumas empresas começam a entender que a quantidade de seguidores não é necessariamente índice de influência. E isso não garante aumento de vendas.

Veja neste vídeo o significado de Influenciador de Mercado:

Para reconhecer um influenciador de verdade, precisa ver como ele influencia as decisões dos outros. Para medir isso precisa-se avaliar o tipo de comentários que os seus posts recebem. Se, por exemplo, ele é agradecido nas Redes Sociais por uma compra feita que foi indicada por ele, isso é índice de influência. Se tiver simplesmente 1,000 likes no post, isso nem tanto.

Acredito que 2018 seja o ano do Marketing de influência bem trabalhado.

Para bem trabalhar esta Estratégia, cientes das dificuldades de atingir influentes globais, criamos uma metodologia dividida em:

2.a Microinfluência vs  Macroinfluência

Macroinfluencers são aqueles com grandes comunidades de influenciados, e claramente são em quantidade menor se comparados com os Microinfluencers, aqueles com pequenas comunidades de influenciados.

Então em vez de tentar estabelecer canais de comunicação caros e difíceis com poucos Macroinfluencers, nós gostamos mais da ideia de criar fáceis canais de comunicação com muitos Microinfluencers.

Para saber mais sobre Marketing de Microinfluência, assista este mini vídeo:

3. Chatbot

Outra ferramenta que bombou em 2017 foi o Chatbox. Está cheio por aí posts de Blog e Vlog falando como otimizam as metodologias de Inbound.

Chatbox é aquele chat automático do site da empresa onde você pergunta e recebe respostas automáticas…tipo quando você liga para Vivo…rs

Olhando como usuário, eu, além das melhorias técnicas crescentes, sinceramente nunca vi um Chatbox com um nível de eficiência suficiente para poder resolver problemas de forma escalável.

Para entender mais, coloquemo-nos no lugar do cliente e não do vendedor.

Imaginemos ter uma solicitação a fazer.

Dividamos a sua solicitação em 3 possíveis categorias:

  • Informação geral sobre um produto ou serviço;
  • Informação avançada (exemplo sobre como fazer algo específico);
  • Informação específica (específica para sua circunstância);

No caso 1 – informação geral, você já tem um monte de Blogs e FAQ no site que poderão ajudar;

No caso 2 – Informação avançada, Blog e Vídeos youtube darão conta;

No caso 3 – informação específica, você quer falar diretamente com alguém para fazer uma pergunta específica e de fato o chatbox atrapalha e deixa o processo de comunicação mais devagar.

Pense bem, pense no que já acontece, faz tempo, com o telefone. Quando você liga para seu plano de telefone e fica na espera do digita aqui e digita ali.

Quantas destes tipos de ligações de fato proporcionam uma experiência agradável para o cliente?

Na minha experiência, nenhuma, mas você acabou se acostumando e sabe que tem que passar por isso para receber a sua informação.

Resultado?

Pode até melhorar as economias da empresa que vende, mas com certeza piora o atendimento do cliente. Eu não gosto disso.

O risco com o Chatbox é de chegar à mesma situação do que na telefonia, onde a partir da moda, estabelecer um padrão puramente voltado a trabalhar a quantidade e não a qualidade.

No 2018 vai bombar ainda mais, mas fará sentido só se tiver muuuitos contatos para lidar, pois sem dúvida você vai impactar negativamente a qualidade do atendimento.

4. Inteligência Artificial, Machine Learning, Realidade Virtual e Realidade Aumentada

Decidi colocar estas 3 palavrões juntos pois são 3 lados da mesma moeda…. Como? A moeda só tem 2 lados? Bom aqui quase falamos de SciFi, então podemos imaginar a moeda com 3 lados…rs

O que junta estes 3 conceitos é, mais uma vez, a moda. Claro que gosto muito das melhorias tecnológicas aportadas ano após ano (sou formado em Engenharia de Automação), principalmente do Silicon Valley. No entanto, antes de implementar estes conceitos na sua empresa, de forma prática e escalável, acho que vai passar um tempinho…ou não?

4.a Inteligência artificial

É a capacidade da máquina fazer coisas humanas. Pense bem, isso acontece desde a Revolução Industrial no século 18. Claro, agora a tecnologia aumenta de forma muito mais rápida e a máquina sempre chega mais a fazer as tarefas humanas aumentando o nível de autonomia.

Um exemplo relevante é a história (mito ou verdade, não sei, depende da fonte) que aconteceu com Facebook no 2017 em que os algoritmos começaram a conversar entre eles com uma linguagem totalmente artificial e desconhecida ao homem.

Veja estes artigos para ter sua opinião:

Inteligência artificial feita pelo Facebook cria sua própria língua e ninguém consegue entender

https://g1.globo.com/e-ou-nao-e/noticia/facebook-desligou-robo-que-abandonou-ingles-e-criou-linguagem-propria-nao-e-verdade.ghtml

Com certeza 2018 será o ano da Inteligência artificial. Só tenha cuidado, mais uma vez que está entrando em um mundo em fase de desenvolvimento, embrional.

Sinta a dor antes de tomar o remédio.

Para que exatamente você vai precisar de um projeto de Inteligência Artificial? Se encaixa com o tamanho e a expectativa da sua empresa? O que vai resolver exatamente?

4.b Machine Learning

Outra assunto muita na moda, também é um conceito muito antigo vestido de palavra de tendência. É simplesmente a capacidade de implementar um ciclo de vai e volta entre o que você faz e o feedback que você recebe.

Praticamente a história de cada ser humano…rs

Do ponto de vista tecnológico cada algoritmo apresenta um loop. Em cada algoritmo você implementa uma ação e recebe o feedback e corrige a ação seguinte. O conceito de Machine Learning é este aqui. Os algoritmos do Google, LinkedIn, Facebook vão se aprimorando cada vez mais com esta abordagem automática. É por isso, por exemplo, que você precisa de um projeto de Dados Estruturados para o seu site. Assim você fala para o Google o que é produto ou artigo dentro do seu site e o ajuda a reconhecer as publicações seguintes com a mesma estrutura da página.

A metodologia de Lean Startup se baseia neste conceito também. Você lança algumas funções básicas do seu protótipo (MVP – Minimum Viable Product) e depois aprimora o sistema dependendo do feedback recebido do mundo exterior. Gosto de pensar que o conceito de Machine Learning vai de mãos dadas com outro conceito que vem se estabelecendo no futuro recente: a especialização em segmentos específicos, os segmentos de nicho.

4.c Realidade aumentada

É a possibilidade de ver uma realidade virtual além da tela do seu computador. É uma tendência sem retorno, com certeza. No entanto, novamente, o quanto vai caber na sua empresa?

Mais uma vez cuidado com as bolhas, as modas que explodem e logo depois implodem.

Um exemplo?

Lembra do Pokemon Go? Foi pioneiro da realidade virtual, pegou literalmente todo mundo. É agora? Cadê aquele monstrinho fofo? Ainda perdido no parque Ibirabuera?

5. Novo look do AdWords

O AdWords já experimentou um novo look para a plataforma. Em 2017 ficava como uma opção, você podia escolher entre o novo visual ou o antigo (tradicional). Em 2018 o novo look será obrigatório.

Também o AdWords sempre está aprimorando mais a possibilidade de anúncios dinâmicos onde o título do seu anúncio de Google AdWords será apresentado dependendo do cruzamento entre a palavra pesquisada pelo usuário e o conteúdo na página de destino do seu anúncio.

Outra tendência interessante é a possibilidade de criar, no Google Display (parte da ferramenta do Google AdWords) Banners, não mais gerais e institucionais, mas com uma proposta específica de serviço ou uma promoção. Mais uma vez o que ganha é a especificidades.

Por exemplo: em vez de publicar um banner falando da sua empresa, focar na promoção específica que você vai oferecer. Isso significa alterar com frequência estes banners e isto é permitido só pela sempre mais facilidade de fazer alterações gráficas em pouco tempo e com poucos recursos.

6. Comportamento de usuário e UX

A necessidade sempre maior de nichar a própria empresa aumenta também a necessidade de uma atenção sempre mais minuciosa no cliente final.

É sempre mais importante e…barato… reter um cliente do que procurar um novo.

Isso significa que entre as tendências de 2018 incluímos a melhoria da experiência do usuário no seu site e no geral com sua empresa.

A consequência direta disso é a necessidade de uma relação sempre mais transparente e um entendimento do comportamento do usuário e de suas necessidades.

Infelizmente isso é bem dito há muito tempo mas ainda não acontece como prometido… Parece aquela promessa política, sabe? Veja os principais sites e portais brasileiros, de qualquer segmento: muito poucos podem se gabar de ter um site que considere importante a experiência do usuário. Até mesmo o Facebook é de fato nada amigável para administração de páginas e campanhas. Claramente, em quanto o faturamento fica garantido, a atenção ao usuário fica em segundo lugar. Imagine os portais de matriz puramente nacional.

Cabe destacar poucos que sinceramente levam em consideração realmente, além das palavras, a experiência do usuário no site: são eles o clássico Google e Mercado Livre. Se você tiver outras sugestões de sites que proporcionem ótima experiência, por favor deixe um comentário aqui embaixo.

No entanto, você que tem um faturamento que ainda depende da experiência do usuário no site, precisa seguir um processo para chegar a esta definição. Você precisa sempre definir seu cliente ideal e a jornada perfeita dele até comprar seu produto ou serviço.

Para fazer isso o Google Analytics te dá uma grande ajuda.

No Google Analytics você pode definir a jornada ideal até a conversão e analisar, durante o caminho, qual etapa apresenta a maior taxa de saída. Assim pode, de forma analítica, medir e resolver os gargalos do caminho de compra.

6.a Pop-ups

Finalmente os pop-ups começarão a ser penalizados para valer.

Eu nunca fui muito fã de pop-ups, pois de fato vão contra o conceito de experiência do usuário no site. Fato é que eles geram resultados sim…bom caso o resultado seja a geração de leads, independente da sua qualificação.

Google publicou este release, no ano passado e acredito que tenha maior efeito em 2018.

https://webmasters.googleblog.com/2016/08/helping-users-easily-access-content-on.html

Cada vez mais os anúncios pagos são bloqueados pelos usuários. Isso porque muitos deles aparecem sem nem um critério aparente, especificamente no seu celular.

O quão é difícil as vezes ler uma uma informação no celular, simplesmente pela poluição gerada por estes anúncios e pop-ups agressivos!

A tecnologia Ad-blocking technology é ainda fraquinha no Brasil, mas acredito que no ano de 2018 vai começar ficar mais presente.

7. Marketing Digital por microempresas, um aumento considerável

É sempre mais fácil divulgar a própria marca e os próprios produtos na internet.

Isso significa que sempre mais microempresas investirão em Marketing de Internet. Para quem trabalha este público-alvo é uma grande oportunidade.

No entanto isso aumenta também a concorrência.

Eis a necessidade de enfatizar e promover os próprios diferenciais de forma concreta e mensurável, para não ficar mais um.

Para isso se torna sempre mais importante a necessidade de otimizar por geolocalização.

O que adianta tentar competir com uma empresa do seu mesmo tamanho, que oferece serviços similares, e que fica a 300 km de distância, quando as oportunidades de clientes no seu bairro estão aumentando?

Melhor primeiro saturar na própria região.

8. Busca por voz

Desde o ano de 2017 ouvimos falar de busca por voz.

Os consumidores podem usar a busca por voz em qualquer lugar agora: telefones, laptops, tablets e computadores. Sério, está em toda parte. E, até 2020, 50% de todas as pesquisas provavelmente serão feitas por buscas por voz.

Na verdade já o ano de 2017 era para ser o ano desta tecnologia.

Não podemos falar que se radicou 100% no Brasil, mas já vemos os motoristas de Uber sempre mais usando-a. De fato está facilitando a vida. Acredito que seja simplesmente um processo inevitável e com os tempos que precisa uma mudança cultural, finalmente a busca de voz será protagonista do nosso dia a dia.

2018 é o ano dela.

O que isso significa? Que você precisa começar otimizar seu site e seus conteúdos para voz além do que para buscas textuais.

Otimizar a busca por voz tende a incluir palavras-chave de cauda longa e frases conversacionais (“melhor restaurante japonês em São Paulo” em vez de “restaurante japonês em São Paulo”) que as pessoas teriam maior probabilidade de dizer em voz alta.

O Marketing de Conteúdo torna a otimização da busca por voz um pouco mais fácil, porque não é tão difícil trabalhar essas palavras-chave conversacionais em uma postagem no blog.

9. Omnichannel: para onde expandir suas ações de marketing digital?

Sabemos que se você faz um marketing digital completinho você já está presente em todos os canais e redes sociais mais famosos: AdWords, Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, StumbleUpon, LinkedIn e até algumas mídias programáticas.

Mas isso é tudo? Não existem novas possibilidades?

Analise de forma cuidadosa e criativa as suas personas e questione:

  • Que outros aplicativos elas podem estar usando? Por exemplo, se a sua persona é intelectual, é possível que ela tenha em seu celular aplicativos de notícia e de leitura…
  • É possível estar presente dentro desses aplicativos? De que forma?
  • Explore o aplicativo em específico e imagine formas criativas de expor a sua marca dentro dele.
  • É possível interagir dentro desses apps? Fazer comentários? Postar de alguma forma? Anunciar nesses apps por meio do AdWords?

Omnichannel inclui também a necessidade sempre maior de integrar o mundo online com o mundo offline. Por exemplo se você tem uma loja física e virtual, pode vender online e mandar retirar na loja ou no depósito, assim o cliente não paga frete e provavelmente chegue a comprar até outros produtos.

Tem outros exemplos de sinergia entre online e offline. Esta abordagem é chamada de O2O (online to offline). Mas o mais importante é pensar na integração entre os dois.

10. Otimização para Celular é mais importante que para Desktop

Em 2016 o IBGE anunciou que o uso do celular para acessar a internet ultrapassou o uso do computador pessoal no Brasil!

O Google também estressou que a partir do 2018 a navegação no mobile vai ser até mais importante do que a no desktop.

De fato falar do uso crescente do mobile não é mais uma notícia. No entanto é interessante ver a maneira como os Smartphones estão liderando no uso de dispositivos.

dispositivos no mundo - o uso

Mobile First! Pare de deixar o mobile de lado. Já faz tempo que ele deve vir primeiro.

Há muito tempo vem se repetindo que é importante que o site seja responsivo para dispositivos móveis, ou que haja uma versão especial para celular. Hoje, fala-se em primeiramente criar um site otimizado para smartphones, e apenas depois adaptá-lo ao desktop, ou seja, o celular vem antes de tudo: mobile first!

Além disso, é necessário que o site seja leve, rápido e que exija menos cliques para que o visitante chegue onde precisa.

Conclusão

Várias ferramentas e abordagens de Marketing Digital estão entre as tendências de 2018.

No entanto o que mais é importante é o conceito por trás, ou seja a necessidade de ficar sempre mais específicos nas proposta de valores.

A simplicidade sempre maior de divulgar na internet reduz o custo direto de propaganda, mas aumenta exponencialmente a concorrência.

Então para ficar na frente não resta que se diferenciar, mostrar a especificidade das próprias competências.

E você? Tem uma opinião? Qual é a sua previsão para 2018? Acha que pulei algum assunto importante ou quer opinar?

Deixe um comentário aqui embaixo.

Estrategista de Modelos de Negócio e de Marketing Digital, Engenheiro. Mais de 10 anos de experiência internacional em vários paises da Europa e América Latina. Especialista na implementação e otimização de Processos de Business. Perfil linkedin: https://br.linkedin.com/in/daniloalbadigitalmarketing

..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.